Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




segunda-feira, março 24, 2014

Cotas Raciais VS. Cotas Sociais

Por que sou contra as cotas raciais para o ensino público superior e serviço público?

O assunto obviamente é polêmico, mas se formos objetivos e quisermos, realmente, minorar as distorções existentes no país, quiçá em um futuro distante extingui-las mesmo, o critério para incentivos de toda ordem (educacionais, emprego, distribuição de renda etc.), não deveria ser racial e sim, social, i.e., de acordo com a renda familiar. Porque, a bem da verdade, dependendo da região e estado, quem está no patamar inferior da sociedade em termos de renda, nem sempre é de uma raça e/ou etnia específica e também porque em várias outras áreas do país a tendência predominante, de longe, não é o negro ou o branco, mas sim o mestiço, no caso, entre brancos e negros, o mulato que, estranhamente parece ter sumido de nosso vocabulário social cotidiano onde todos que se veem como 'excluídos' preferem a designação negro, mesmo sem nem sempre ser um. Nada contra, mas esta divisão rígida é sim uma importação cultural de outra realidade onde a cisão foi muito mais abrupta. E antes que me acusem de insensiblidade, não se trata de negar o racismo, mas de compreender a forma fluída e diferenciada com que ocorreu no Brasil. Precisamos ser mais específicos quando se trata de criar institutos para desenvolvimento social no país, sob o risco de, se não o fizermos, criarmos outra segmentação que anule os propósitos para os quais foi criada. Se em determinada região, a maioria mais empobrecida da sociedade é constituída por negros, então, as cotas sociais, melhores e mais abrangentes do que as cotas raciais atingirão o objetivo de ajudá-los e, se em outra região for outro grupo étnico, branco, não-branco, pardo, amarelo etc., as cotas sociais novamente serão mais justas que as raciais. Estas ainda têm como efeito deletério o fato de criar um estigma de incapacidade associada à raça, enquanto que se trata na verdade, apenas de falta de oportunidades devido à desigualdade de renda, uma vez que, geneticamente falando, todos temos as mesmas condições. O que nos separa é o abismo socioeconômico que pode ser sanado por institutos com melhor foco e menos ideologia.