Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




sábado, abril 30, 2011

Classe e conceito



RIO - Pela primeira vez na história, a classe C do Brasil, cujos lares recebem de R$ 1.115 a R$ 4.807 por mês, passou a representar a maior fatia da renda nacional, revela reportagem de Vivian Oswald e Geralda Doca, publicada na edição do Globo deste domingo. Segundo a Fundação Getulio Vargas, o segmento detém 46% dos rendimentos das pessoas físicas. Já as classes A e B correspondem a 44%. Entre 2003, quando a classe C tinha 37% da renda, e 2008, 26,9 milhões chegaram a este grupo, que soma 91 milhões de brasileiros.
(...) 
http://oglobo.globo.com/economia/mat/2010/02/06/classe-do-brasil-ja-detem-46-da-renda-915804204.asp 

        A classificação só pode ser matemática, já que fala em média. O que não pode, o que é totalmente irracional é chamar de "classe média" uma nebulosa entre o "proletariado" e a "burguesia", dois fantasmas conceituais que já não fazem o menor sentido. Se é que algum dia o fizeram...
  

quinta-feira, abril 28, 2011

Rawls

“A justiça é a primeira virtude da
instituições sociais, como a
verdade o é dos sistemas de
pensamento.” – John Rawls


...

segunda-feira, abril 18, 2011

EPA! ...A insustentável distância do órgão ambiental



The decision to abandon the city and exacerbate suburban sprawl was ostensibly made to save money, though one might ask whose money, since employee and visitor commuting costs to the sprawl site will be substantially higher than they are now for the central location. In any event, although the lease in the new location will be heavily discounted for the first year, over the length of the lease costs will likely be higher in the new location than they would be under a new long-term lease for the downtown property.

quinta-feira, abril 14, 2011

"Valores familiares" uma ova!


Em The Society Pages, há um vídeo onde uma típica estudante oxigenada da UCLA reclama de seus vizinhos asiáticos e do barulho que fazem com o celular nas bibliotecas. O que pareceria ser legítimo por uma questão de postura em público, de consideração para o outro se torna um deslavado desabafo etnocêntrico que beira o racismo. Embora isto não tenha sido explicitado, parece ser o que realmente está por trás... Outro dado interessante é a alegação dos "valores familiares" comumente expresso na sociedade americana, mas que por ironia, a própria família (dos asiáticos) é que se torna o problema para a estudante quando ela reclama de seu apartamento rodeado por todos eles, com primos, avós etc. Ora, se é para manter os "valores familiares" por que então reclamar dos asiáticos trazerem sua família e parecerem tão vinculados a ela? Se fosse por puro etnocentrismo, esta não seria a razão para a indignação já que o alvo da reclamação, os asiáticos, estariam plenamente afinados com a sociedade em questão em seu valor básico, o apreço pela família. Por isso mesmo é que no fundo a motivação é outra, sintomática para quem já teve o cabelo descolorido e o cérebro tostado pelo Sol da Califórnia...

O doce veneno do cocalero



A vingança é deliciosa. Servida em pratos frios... Toma Evo! Segure esta agora, quando os próprios cocaleros e outros setores trabalhistas fazem protestos contra o governo:

Bolivia: la tensión se eleva por las amenazas de protestas de diversos sectores gremiales | AméricaEconomía - El sitio de los negocios globales de América Latina



terça-feira, abril 12, 2011

Plano Jurídico VS. Plano Fisiológico




Isto não é exclusividade de planos diretores, houve constituições assim, bonitas na letra e com dispositivos que permitiam quase regimes de exceção. Então, paulistanos, conformem-se ... ou façam algo:



O Tribunal de Justiça de São Paulo liberou nesta segunda-feira a tramitação do projeto de lei do prefeito Gilberto Kassab que promove a revisão do Plano Diretor da cidade. A discussão estava parada desde agosto de 2010, quando o juiz Marcos de Lima Porta, da 5ª Vara da Fazenda Pública, considerou inválida a proposta por não atender ao Estatuto da Cidade no que diz respeito à participação da população nos debates. A ação foi movida pela União dos Movimentos de Moradia, apoiada por instituições como a Defensoria Pública, o Instituto Pólis e o Movimento Defenda SP. O juiz entendeu que o formato e as regras, entre elas o tempo máximo de dois minutos para cada intervenção, inviabilizaram a contribuição efetiva do cidadão, mesmo tendo havido 45 audiências nas 31 subprefeituras.
Em Videversus: Justiça libera tramitação do Plano Diretor de São Paulo