Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




quarta-feira, fevereiro 26, 2014

O que falta Fidel Castro nos dizer?


Ah ah... É isso aí! Mas, sabe... Não sou contra a implantação de um porto lá SE e, SOMENTE SE, nossos portos já tivesse os investimentos necessários. A criação de uma ZEE a la chinesa, que é a aposta de dirigentes da FIESP não deixa de ser boa para nós e para o povo cubano. O PROBLEMA, a meu ver, é outro: este tipo de pólo de desenvolvimento será criado lá para aumentar a competitividade das empresas brasileiras SEM QUE os empregados brasileiros sejam beneficiados pelo mesmo tipo de projeto. E, muito embora eu seja contrário a nossa excessiva e parcial legislação trabalhista, não deixa de ser interessante ver esta evolução do partido dos trabalhadores. Deveras interessante que a necessidade os faça mudar. No entanto, não sejamos ingênuos, o que provavelmente acontecerá é que estas 300 empresas, segundo este porta voz da FIESP irão financiar futuras campanhas petistas tornando a ilha uma espécie de "portal de lavagem de dinheiro" para o PT. Ou alguém em sã consciência crê que o privilégio de atuar nesta zona econômica especial às portas do Canal do Panamá, em vias de ampliação, com acesso ao Pacífico, à China e ao novo bloco da bacia da Pacífico sairá de graça?

___________________

Confira a análise do representante da FIESP aqui: http://youtu.be/QtnsjgKPeSk

terça-feira, fevereiro 25, 2014

O que falta ao Brasil - 1


Imagem: e-farsas.com
A imagem acima foi tirada em Manila, Filipinas em 2012 quando da passagem do tufão Saola. O que parece ter sido uma brincadeira tem algo de revelador, a infra-estrutura para evitar inundações é deficitária em grandes cidades ou em áreas sujeitas à fortes chuvas, como estamos acostumados nas regiões litorâneas brasileiras. Embora sua solução seja difícil, não é algo impossível, sobretudo se pensarmos na melhor localização urbana e coibição da ocupação em áreas de risco. Na imagem, ainda temos uma lan house, que talvez nem estivesse funcionando, mas seus equipamentos estão lá. Como esta parafernália eletrônica pode ser montada em comunidades pobres (eu estou intuindo que seja uma área pobre, como tantas assim no Brasil) e ter seus equipamentos, conexões e consumo do serviço em ordem, enquanto que uma infra-estrutura urbana se mostra tão difícil de ser sequer planejada, quando mais implantada? Para entender a lógica deste processo, eu sugiro que assistam à concisa apresentação de Paul Romer. É um vídeo inspirador. Realmente, muito, muito bom.

A idéia radical de Paul Romer: Cidades-Manual http://on.ted.com/f044y #TED



Agora vejamos como uma conhecida teórica do urbanismo lida com a questão:

A situação da mobilidade nas cidades brasileiras assemelha-se muito à de Los Angeles, descrita por Mike Davis. Nas nossas ruas, o direito à mobilidade se entrelaçou fortemente com outras pautas e agendas constitutivas da questão urbana, como o tema dos megaeventos e suas lógicas de gentrificação e limpeza social. As palavras de Ermínia Maricato – “os capitais se assanham na pilhagem dos fundos públicos deixando inúmeros elefantes brancos para trás” – me lembraram um cartaz que vi em uma das passeatas: “Quando meu filho ficar doente vou levá-lo ao estádio”. A questão urbana e, particularmente, a agenda da reforma urbana, constitutiva da pauta das lutas sociais e fragilmente experimentada em esferas municipais nos anos 1980 e início dos anos 1990, foram abandonadas pelo poder político dominante no país, em todas as esferas. Isso se deu em prol de uma coalizão pelo crescimento que articulou estratégias keynesianas de geração de emprego e aumentos salariais a um modelo de desenvolvimento urbano neoliberal, voltado única e exclusivamente para facilitar a ação do mercado e abrir frentes de expansão do capital financeirizado, do qual o projeto Copa/Olimpíadas é a expressão mais recente… e radical.[1]

O que chamam de “modelo de desenvolvimento urbano neoliberal” se assemelha mais a espasmos de liberalização, que na verdade é mais periclitante que cíclico. Uma das razões é a necessidade econômica de gerar valor, o que o intervencionismo estatal acaba abolindo ou secando a fonte com o passar do tempo. A excessiva atuação estatal é a norma, nossa constante em diversas nações do mundo e na América Latina em particular. Enxergar uma “guinada neoliberal” a partir dos anos 90 é criar um espantalho para iludir cidadãos acerca de nossos problemas, que residem exatamente no mau uso da máquina pública. Apesar das reformas propostas no período da gestão FHC terem sido tímidas e pontuais, sucessivas análises feitas por socialistas e assemelhados têm afirmado que os problemas de nossa economia (assim como as crises mundiais) foram conseqüência da globalização mundial e opção neoliberal de vários governos.[2]
E quais seriam estas “estratégias keynesianas de geração de emprego”? Por acaso estamos assistindo a uma intervenção cada vez maior do estado na economia na produção de setores básicos? Na execução de infraestrutura? Na criação de mecanismos de promoção social via geração de emprego?[3] Nem sequer temos uma orientação de investimentos setorial. Estas são algumas características mínimas para definirmos a atuação estatal nacional, sobretudo em âmbito urbano como keynesianas e, sinceramente, não é o que se observa. Intervencionismo? Sim, ocorre. Estatismo, burocratização? Sim, mas nada que se configure como um planejamento centralizado dotado de um mínimo de racionalidade visando o desenvolvimento a longo prazo, mesmo com possibilidades de déficits públicos e alta inflação que o próprio Keynes subestimara.[4]





[1] “Cidades Rebeldes.” Blog da Raquel Rolnik. Disponível em: <http://raquelrolnik.wordpress.com/2013/08/06/cidades-rebeldes/>. Acesso em: 12 fev. 14.
[2] “A maré estatista na América Latina e a Teoria do Intervencionismo.” Instituto Ludwig Von Mises Brasil. Disponível em: <http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1715>. Acesso em: 22 fev. 14.
[3] A única exceção é a redistribuição de renda via programas federais, mas que não tem o emprego como objetivo explícito.
[4] BRASSEUL, Jacques. História Econômica do Mundo: das origens aos subprimes. Lisboa, Edições Texto & Grafia, Ltda., 2012, p. 388-389.

sábado, fevereiro 22, 2014

Direito de ir e vir: como deturpar um conceito


Não precisa assistir até o fim, pois é maçante. Apenas até o momento, alguns minutos a frente em que a moça puladora de catraca esboça seu argumento fatal, no qual confundiu um direito com o acesso a um tipo de prestação de serviço.

Claro que ela tem o "direito de ir e vir", mas com suas próprias condições, ou seja, a pé. No entanto, ninguém é obrigado a proporcionar o "direito de ir e vir" com maior conforto para alguém. Esta prestação de serviço é opcional. Se não quiser pagar, se discorda do valor da tarifa que se arrume meio próprio para exercer o tal direito. E é aí que está a importância de se pleitear alternativas de locomoção, quebrando os cartéis dos meios de transporte que exercem lobby para evitar concorrência com lotações, mais taxis, dentre outros.

No entanto, querer que se concorde com a forma que se compreende o seu direito é patético.



Livros on line gratuitos

PROJETO GUTENBERG: http://www.gutenberg.org/

BIBLIOTECA DIGITAL CAMÕES: http://cvc.instituto-camoes.pt/conhecer/biblioteca-digital-camoes.html

PORTAL COMÍNIO PÚBLICO: http://www.dominiopublico.gov.br/

BIBLIOTECA DIGITAL MUNDIAL: http://www.wdl.org/pt/

segunda-feira, fevereiro 10, 2014

Sobre empréstimos internacionais feitos pelo BNDES e o caso do porto cubano



Empréstimos internacionais sem aprovação do Congresso são inconstitucionais : http://noticias.r7.com/jornal-da-record-news/videos/?idmedia=52f424b30cf2d62c8c5a90ce?s_cid=videos_jornal-da-record-news_twitter&utm_source=twitter&utm_medium=social&utm_campaign=botao_twitter&utm_term=videos_jornal-da-record-news #jornaldarecordnews via @JornalRecNews

VS.



Jornal da Record News: Convidado avalia importância do porto em Cuba par...: http://youtu.be/QtnsjgKPeSk via @youtube

Verão, praias e seus inconvenientes

Leia aqui, o comentário sobre como é viver na Flórida feito por uma brasileira: O Lado Bom E Ruim De Se Viver Na Flórida. Um detalhe, no entanto, me chamou minha atenção: cada praia tem suas regras... Ah! Quanta falta isto faz aqui no Brasil! Aqui, se tu estiveres descansando sob o Sol, pode ser atingido por outro objeto esférico, uma bola cheia de areia e algum babaca ainda te diz "foi mal". Os idiotas esqueceram o significado da palavra desculpe... Isto quando não for uma menor, mas mais rápida, de frescobol e atingir na cara. Eu adoro cães, mas nem por isto vou levar um dos meus para as praias e quem faz isto, geralmente, não recolhe as fezes de seu animal, porque seus donos animais acham isto degradante. Surreal. Agora, a praga nacional que quase ninguém critica, som alto, de lixo musical, mas mesmo que fosse Beethoven, não importa, ninguém é obrigado ou tem que estar "no clima" de ouvir em som abusivo o que não quer. Seria tão simples que houvesse praias para esportes, para brincar com animais, para simplesmente se banhar e aquelas para mentecaptos regozijarem-se com o lixo da música eletrônica, o 'sertanojo', o pagode ou a pior abominação auditiva já criada pelo Homem, o funk. Se isto não existe aí nas condições que eu descrevi, parabéns, tu estás em algo próximo do paraíso.

sábado, fevereiro 08, 2014

A arte do exagero

Este texto padece do mesmo problema de outros argumentos "crítico culturais": tem business? Então não é arte, assim como no caso, não é ou não tem esporte, muito menos "espírito olímpico". Quem dera as nações se enfrentassem apenas nas olimpíadas e suas disputas fossem simbólicas, a partir de uma confraternização efetiva. Há corrupção? Licitações fraudulentas? Obras que são elefantes brancos etc. etc.? Então que se critique e investigue isto, sem jogar fora neste banho o bebê na bacia, sem jogar fora a intenção do esporte junto com negócios escusos. Putin e a elite política russa se revelam discriminadores, então a defesa da diversidade através do marketing colorido do Google é uma indireta e não um endosso ao Kremlin. E as drogas, anabolizantes etc.:? São ingeridos pela maioria dos atletas? Até prova em contrário, não. Então, o "chute" não é jornalismo sério. E quero crer que assim como os atletas, a maioria dos jornalistas também é séria. Mas, sabe aquela coisa, démodé, de querer ser radical, enquanto que no fundo não passa de um sectário inconsequente, e criticar tudo, todo o 'sistema', mas sem olhar para os detalhes deste sistema que são indivíduos? Pois é, isto faz com que qualquer análise, mesmo que bem escrita, na verdade não passe de uma fofoca. Isto na melhor das hipóteses, porque sem consciência, pois na pior seria uma calúnia mesmo.
Cf.: O Google, os gays e o espírito olímpico que não existe http://noticias.r7.com/_andre-forastieri via @forastieri