Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




terça-feira, abril 08, 2008

Uma história sem sujeito



Sim, Marx errou em suas predições. Mas, penso que este foi um erro menor. Explico-me: errar o futuro é comum à liberais, socialistas ou quaisquer que sejam as orientações ideológicas. "Especialistas em futuro próximo", como os agentes de mercado não erram suas apostas nas bolsas de valores?


O problema também não é que seu erro foi proporcional a sua (enorme) pretensão, mas que (aí é que está), não existe esta firme distinção, como querem os heterodoxos, em ver um "Marx metodológico" (que se salvaria) do "Marx profeta" (completamente descartado). Penso que o erro que levou às pretensiosas predições reside no próprio método marxiano.


A teleologia objetiva da história, na qual Marx se baseava tinha um fim previsto, objetivo. Quantas vezes não ouvimos falar em "interesses de classe"? De onde achamos que vêm isto? Ora, os interesses não são estruturais, eles podem ser vários.


Não raro, os interesses da classe operária podem estar bem afinados com a elite empresarial, quando os ganhos destas redundam em benefícios à primeira. O que torna isto inviável no raciocínio marxiano? O fim aludido, no qual se chegará via contradição (estrutural) entre as classes. Por isto, as adversidades no transcurso histórico não passam de ocasos nos quais, a "tendência dominante" da "evolução da história", leia-se luta de classes, se imporá.


Não se impôs. Foi o que se viu e, como bem demonstram as metamorfoses sofridas pelo movimento operário.


Outra característica que se alia a este finalismo histórico (a teleologia...) é seu aspecto funcionalista. Sei que alguns dirão se tratar de algo específico de uma escola americana de sociologia (Talcott Parsons) que nada teria a ver com o marxismo... Mas, eu discordo: o funcionalismo presente na obra marxiana tem a ver com um sistema fechado onde efeitos (outputs) produzem feedbacks que justificam os inputs, sendo os efeitos políticos nada mais que elementos intermediários do circuito.


Um exemplo corriqueiro do fucionalismo na obra de Marx, a que muitos chamam, desavisadamente, de "economicismo" (deturpando esta ciência... a economia) é quando uma instituição surge para atender as "necessidades do sistema". O caso paradigmático a que me refiro é a religião que, numa leitura mais rasteira (althusseriana) é categorizada como mera superestrutura a "serviço do sistema".


(Leitura vulgarizada que, no entanto, surgiu no próprio Marx.)


Ora! Se há situações em que a esfera religiosa justifica uma determinada situação econômica, há aquelas em que se opõe, claramente, às mudanças do mesmo sistema, ou seja, da própria economia. Se a religião fosse assim, tão "reflexiva", não haveria porque existir tantas querelas entre agentes econômicos e as oligarquias com sua legitimação atemporal.


Não há determinismos grosseiros na realidade, como Marx quis enxergar.


Marx pode ter acertado (do ponto de vista empírico) em certas análises para sua época, mas errou redondamente na generalização para o futuro e também, naquilo que entendeu como sendo o passado da sociedade capitalista. Algumas de suas subteorias, como a da taxa declinante de lucros contém um raciocínio dedutivo pobre derivado mais de seu próprio wishful thinking do que um exercício lógico de contraposição e testes verdadeiramente dialéticos.


A paixão de Marx, evidentemente, ofuscou seu crivo crítico. Ele também descartou o papel fundamental do indivíduo na história. Dependendo do lugar que este ocupe na rede de relações sociais, sua ação pode ter um papel decisivo no decorrer dos fatos históricos, ainda superior do que certas ações coletivas de classe ou não.


A teleologia objetiva da história em Marx contém um paradoxo. Ela "explica tudo" de frente para trás, mas aquilo que ela se propõe explicar de modo explícito, o futuro tem nas possibilidades do acaso e da contingência históricas, o mais completo vazio. Enquanto a ciência procede de trás para frente, da causa para o efeito, o marxianismo faz, exatamente, o contrário ao pretender apontar o passado a partir do futuro. Como se este futuro tivesse já inscrito, de antemão, o que o passado, inexoravelmente, descobrirá de modo lógico, certeiro e irretocável, o chamado "devir histórico". Mas, sem perceber neste passado, os imprevistos e criações históricas como o que são: opções e alternativas, plenos de dilemas.


Os maiores erros de Marx também são os mesmos de Hegel, de acreditar numa história sem sujeito (individual e de interações individuais), mas que desastrosamente debita um objetivo à história, como se fosse possível desvincular objetivos de sujeitos.

2 comentários:

  1. Anonymous4:33 AM

    Pois é... A idéia de que o marxismo era científico seria responsável por boa parte de seu apelo até bem perto do fim do século XX. Outra fonte de apelo do marxismo era o fato de que, já que afirmava prever os desenvolvimentos futuros da sociedade com precisão científica, o socialismo foi tido como inevitável, e isso significava que os socialistas estavam, por assim dizer, ao lado do futuro. O mundo inteiro caminhava ao modo deles. Como gostavam de dizer, " a história está do nosso lado " e seus opositores seriam julgados como disse Trotsky, na lata de lixo da história. Mas a história demonstrou o contrário. Sem exceção, em todo lugar onde os movimentos marxistas chegaram ao poder o resultado foi, invariavelmente, uma ditadura burocrática, uma sociedade nem remotamente parecida com a que a teoria afirmava ser "inevitável". Também sem exceção as economias dessas sociedades fracassaram. Em vez de prosperarem, ficaram empobrecidas. O governo marxista só deu ao povo pobreza e tirania. A longo prazo isso levou muita gente a concluir que deve haver algo de errado com a teoria marxista. Motivos muito bem explicitados em seu excelente texto. Obrigada por transferir e compartilhar de maneira tão clara seus conhecimentos.

    ResponderExcluir
  2. Teus comentários me deixam lisonjeado.

    ResponderExcluir