Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




quinta-feira, março 19, 2015

Notas sobre a qualidade de ensino


Os Estados Unidos promovem uma revolução na educação contratando escolas privadas para atender alunos de baixa renda. O Brasil não faz o mesmo por puro preconceito - http://glo.bo/195MzH3

Veja... Eu apoio os vouchers e a privatização do ensino, ok. Mas isto por si só melhora a administração e as finanças públicas ao delegar a setores mais competentes o planejamento e execução da atividade, que seriam as escolas particulares. Nesta parte iria tudo bem, mas não a educação em si... Nem escolas privadas nem públicas conseguiriam só por sua razão social, pelo fato de serem públicas ou privadas somente conseguir traçar uma educação de qualidade. O que se precisa é de independência perante o MEC. Quem define regras são pedagogos e este tipo de profissional, regra geral, não dá aulas. Então, eles não sabem como dirimir conflitos e o problema hoje é indisciplina. Quem é estudante não tem noção disto, mas creiam-me, é muito pior do que se imagina. 90% das turmas ou mais são boa gente, mas o que se vê com o passar do tempo é que os que avacalham as sessões de aula prejudicam e claramente contaminam os demais. Por que 'contaminam'? Porque passam direto, só se roda por faltas. é a "PROGRESSÃO CONTINUADA", mais conhecida como APROVAÇÃO AUTOMÁTICA, introduzida goela abaixo pelo MEC. Eles, do próprio setor público conseguiram destruir a educação, só que isto TAMBÉM atinge o ensino privado. Portanto, não basta mudar a razão social, isto é, privatizar que tudo vai dar certo. Tem que se tornar autônomo em relação ao MEC e os responsáveis colocam seus dependentes onde quiserem, ensino religioso, militar, laico, marxista, liberal etc. Tão simples, quem quer doutrinar ou abrir mentes tem que escolher livremente o tipo de ensino que vai ofertar. O que não dá é para termos que aturar um bando de incompetentes burocratas pedagogos perdidos no cerrado brasileiro e que não enfrentam a realidade da trincheira das escolas públicas. Vejam o que diz a matéria acima, "meritocracia", e o que mais me admirei "zero falta de professores"... Alguém aqui tem noção da vadiagem que são nossos efetivados que cumpriram seus estágios probatórios? Como eles sabem que não ganharão mais sendo competentes, que não há diferença salarial por desempenho melhor, no que se agarram então? Eles se empenham em trabalhar menos, em exigir mais "horas de planejamento" etc. Como se fosse necessário planejar o trimestre semanalmente e como se para cada aula ministrada precisassem de outra hora parados coçando nos corredores ou comentando sobre a novela. Isto me enoja.
Precisamos:
1-      Privatizar;
2-      Esquema de vouchers;
3-      SOBRETUDO, acabar com o MEC (pelo menos do jeito que ele é hoje).
4-      Traçar metas gerais para avaliarmos e detectarmos problemas (sim, para alguma coisa precisamos do estado... lembre-se que minarquista não é ser um anarco).
Por aí...

Pelo que entendi do modelo acima, não são escolas públicas normais, mas são regidas por universidades ou avaliadas por universidades privadas, com o propósito precípuo de colocar alunos pobres dentro delas, mas através de uma concorrência acirrada. E neste método meritocrata, ideologia não conta. Outra coisa é que é ingênuo pensar que professores de rede privada não valsam ao sabor da ideologia do momento. Valsam sim, e como... Donos de escola, entrando dinheiro não estão nem aí, e estão certos no que fazem, mas o que fazem não é critério para falarmos em melhoria de ensino. Reitero, simples privatização não melhora o ensino, melhora somente a administração. Tem que haver sim um conjunto de condições, incluindo a privatização, mas não exclusivamente, para melhorarmos a educação.

Se querem chamar isto de ação afirmativa, subsídio, ok, o façam, mas não digam que equivale ao mesmo lixo de cotas e assemelhados que não é não. A garotada ali é ensinada a competir desde cedo e não estão lá por serem pobres, mas por serem pobres que se destacaram. O maior valor dessas escolas é ensinar que aquelas crianças não precisam de caridade, como cotas e bolsas-família, mas que precisam de um subsídio para estudar e vencer. Isto não é um dinheiro mal empregado SE for bem monitorado, fiscalizado. Claro, a fundo perdido, nada é bom. Agora, me digam aqui qual modelo de escola brasileira tem zero faltas de professores?

Nenhum comentário:

Postar um comentário