Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




segunda-feira, setembro 03, 2012

Marketing Caricatural / Caricatural Marketing

Porque algo está na moda, então tenho que ser necessariamente contrário? / Because something is in fashion, so I have to be necessarily contrary?

Sobre: Folha de S.Paulo - Colunistas - Luiz Felipe Pondé - Marketing social - 03/09/2012. Eu geralmente gosto dos textos de Pondé, mas neste, o seu “anti-politicamente correto” pecou pelo tom excessivamente oposicionista ao atual modismo intelectual. Este texto consegue ser, no máximo, uma caricatura a guisa de análise.
Em uma das passagens, o autor critica algo sem especificá-lo: é verdade que nem tudo se aprende com os pais, pois o meio social é muito mais amplo do que isto, daí que a “dignidade” passada pelos pais não seria verdadeira. Mas, a qual “dignidade” ele se refere? Então, o paradigma social é o da indignidade mesmo? Dignidade do que, indignidade do que? Isto parece mais um arremedo pseudo-filosófico baseado em um hobbesianismo primário, estilo “o homem é o lobo do homem” ou, na versão mais popular contemporânea, “está tudo dominado!” Ficou, por demais, impreciso. Se ele não define qual dignidade se refere, não dá para saber se o que diz procede, não dá para concordar nem dá para discordar. É um completo vazio.

Em outra passagem, o autor parece confundir causa com conseqüência, ou inverter pólos da história, sem senso cronológico. A moral pública que ele diz “fundada na hipocrisia” é um completo contra-senso, pois a hipocrisia não aponta para seu início ou fundamento, mas sim para o fim da moral pública. Se acharmos mesmo que todo um edifício cultural e institucional foi criado com o propósito de iludir, sinto muito Pondé, mas tu te mostras tão paranóico e auto-persecutório quanto qualquer medíocre apóstolo de Karl Marx, o que é algo estranho e anacrônico para quem, como eu, repudia o marxismo.
Por mais que rejeitemos este discurso pós-socialista que define o bem público como essencialmente superior – econômica, política e moralmente – à esfera da vida privada, não deixa de ser ingenuidade, para não dizer tosca percepção mesmo, de que um espaço público, uma ética profissional de nossos administradores e um código de posturas ativo para a urbe não só não é desejável como na verdade extremamente necessário. E não me digam que busco “pelo em ovo”, pois a retórica do autor aponta para esta conclusão sim.
Ainda temos a tola afirmação de que a um homem incomoda ganhar menos do que sua mulher. Visto desta forma, tudo não passa de dominação. Se ele admite isto como uma premissa verdadeira, eu não tenho como objetar, mas se em outro item ele afirma que mulher solteira não vive bem é porque de alguma forma vê a família ou o casamento como socialmente salutares. Então, ou um ou outro, ou uma corrida hobbesiana em prol do descarado domínio sexual ou a união calcada em valores e uma moral pública lembrando que lá atrás ele também rejeitou esta ao definir seus apologistas como “hipócritas”. Em suma, se é tudo uma questão de dominação, por que uma mulher precisaria viver com um homem, por que gosta de ser dominada? Se Pondé gosta mesmo de argumentos científicos, qual é a base genética desta afirmação? Ou vai me dizer que a psicanálise, a mera intuição ou a astrologia podem ser recursos para se afirmar uma estultice destas? Na verdade, se tomarmos suas críticas em conjunto, veremos que suas extensões se contradizem mais de uma vez.
Quanto aos gays, eu concordo que há uma sobrevalorização disso. Agora, também é verdade que há um pavor da simples presença e manifestação pública deles. Eu sou contra a parada gay, como a que ocorre em São Paulo por um motivo bem simples, ele capta recursos públicos para isso. Por outro lado, não há razão neste mundo que me leve a apoiar a proibição de manifestação de afeto entre eles. Cada um na sua, é um clichê, tão simples quanto verdadeiro para ser seguido. E para mim, esta é minha âncora permanente, o que é e o que não é verdade.

3 set. 12
...
About: FSP - Columnists - Luiz Felipe Pondé - Social Marketing - 03/09/2012. I generally like the texts of Pondé, but in this, his "anti-political correctness" has sinned from the tone overly intellectual opposition to the current fad. This text can be, at most, more a caricature than a serious analysis.
In one passage, the author criticizes something without specifying it: it's true that not everything is learned with their parents, because the social environment is much broader than that, hence the "dignity" passed by the parents would not be true. But that "dignity" he refers to? So, the social paradigm is the same indignity? What dignity, what indignity? This seems more an imitation pseudo-philosophical, a Hobbesianism based on a primary style "man is a wolf to man" or, in the more popular contemporary, "everything is dominated!" He, too, inaccurate. If he does not define what dignity refers, you can not know if what you say comes, I can not agree or disagree to give. It is a complete void.
In another passage, the author seems to confuse cause with consequence, or reverse poles of history, no sense chronologically. The morals he says "founded on hypocrisy" is a complete nonsense, because the hypocrisy does not point to the beginning or foundation, but by the end of public morals. If we find even a whole cultural and institutional building was created with the purpose of deceiving, Pondé sorry, but thou art shows so paranoid and persecutory as any mediocre apostle of Karl Marx, which is something strange and anachronistic to whom, as I, repudiates Marxism.
As much as we reject this post- socialist discourse that defines the public good as essentially superior - economically, politically and morally - to the sphere of private life, is nonetheless naive, not to say rude same perception, that a public space, a professional ethics of our officers and a code of active postures to the metropolis is not only desirable but actually extremely necessary. And do not tell me that I look "hair on the egg" because the rhetoric of the author points to this conclusion yes.
We still have the silly assertion that bothers a man earning less than his wife. Seen this way, everything is just domination. If he accepts this as a true premise, I'm not as objects, but if another item he claims that not a single woman living well is because somehow sees the family or marriage as socially salutary. So one or the other, or a Hobbesian race in favor of blatant sexual dominance or union grounded in values ​​and morals back there remembering that he also rejected this by defining its apologists as "hypocrites." In short, if it's all a matter of domination, why would a woman have to live with a man, who likes to be dominated? If Pondé really likes scientific arguments, what is the genetic basis of this statement? Or tell me that psychoanalysis, mere intuition or astrology can be resources to affirm a folly of these? In fact, if we take his criticisms together, we see that contradict their extensions more than once.
As for gays, I agree that there is an overvaluation that. Now, it is also true that there is a fear of simple presence and public expression of them. I am against gay parade, as occurs in São Paulo for a simple reason, it captures public resources for this. Moreover, there is no reason in this world to take me to support a ban on display of affection between them. Each to their own, it is a cliché, as simple as true to be followed. And for me, this is my permanent anchor, what is and what is not true.


Um comentário:

  1. Eu gosto das críticas do Pondé ao politicamente correto e ao marxismo, mas me incomoda em certos textos dele um vício que é típico de filósofos e escritores: fazer opiniões subjetivas soarem como se fossem raciocínios rigorosos e fundamentados só por serem expressas em textos bem escritos e provocativos. É como Schopenhauer escrevendo sobre as mulheres: ele reproduzia inúmeros preconceitos comuns à época em que viveu, usava como "fonte" suas experiências cotidianas pessoais, mas, por ser um filósofo, falava o tempo todo como se estivesse demonstrando teses. O Pondé faz a mesma coisa nesse texto: dizer que todo homem acha ruim ganhar menos do que a mulher é uma afirmação gratuita, e ponto. No máximo, uma opinião pessoal, mas ele faz afirmações desse tipo sempre em tom categórico, como se fossem afirmações objetivas. Aí não dá...

    ResponderExcluir