Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




sexta-feira, outubro 10, 2014

Liberais v. Conservadores; Libertários v. Anarcocapitalistas : algumas definições conceituais


Sonho de todo anarcocapitalista: desfrutar da tecnologia que lhe dê liberdade, sem a estrutura social (e jurídica) que proporciona a segurança para tanto (imagem: reddit.com/r/Anarcho_Capitalism/).

Sobre: Liberais, libertários e conservadores, uni-vos
http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2014/10/1526258-liberais-libertarios-e-conservadores-uni-vos.shtml

"Conservador" e "liberal" muda muito o conceito de acordo com a realidade em que se insere. A confusão é mais de semântica do que ideológica. "Conservatives", nos EUA e no mundo anglófono em geral é o conservador moral, mas também anti-revolucionário e anti-intervencionista. porque as duas coisas estavam ligadas à Liberdade. O conservador brasileiro é que não tem sentido, se trata de alguém que iria valorizar tudo que causa dano às nossas instituições e sociedade, como o fisiologismo, o clientelismo etc. Então falar em conservadorismo aqui no Brasil, tem que vir entre aspas porque confunde as pessoas. Por outro lado também, 'libertarian' nos EUA corresponde ao nosso liberal, o liberal-econômico europeu, porque 'liberal', (lí-beral) nos EUA é o liberal dos costumes, um progressista que quer mudanças sociais rejeitando o que é mais caro aos anti-estatistas porque tais mudanças deveriam vir via legalista, i.e., com força de lei se necessário (caso das Ações Afirmativas, como as cotas raciais, p.ex.). Eu não gosto de chamar os radicais de 'libertários', pois estes somos nós, defensores do estado mínimo ou minarquistas. Os radicais que apoiam até liberação do comércio de órgãos e privatização da polícia (uma bobagem) são ignorantes em relação às externalidades econômicas negativas (danos causados a outrem indiretamente, poluição etc.). Ocorre que estes "anarquistas de direita" (são como os anarquistas do século XIX, só que defendem a propriedade privada) não compartilham das preocupações sociais e morais dos liberais originais, como Adam Smith, eles acham que a economia resolverá todos os problemas, inclusive os de ordem cultural, moral etc. São, na verdade, "anarco-capitalistas" (ancaps) ou "anarco-liberais". Por isso fica um pouco confuso aqui no Brasil e há diferenças gritantes entre muitos deles em temas controversos, como a percepção de alguns paranoides de que há um "governo mundial" em curso e outros que apoiam explicitamente o enfraquecimento dos estados em prol de comércio internacional livre, como eu. O texto é bom, só não faz o reparo de contextualizar o significado dos termos em diferentes países e culturas.

2 comentários:

  1. Minarquista, embora isto seja genérico, as classificações acima também o são. O bom de se definir enquanto tal é que sinaliza para a redução do estado, o problema é que não diz sobre o quê, em termos qualitativos. Por exemplo, eu não concordo com o subsídio estatal ao aborto, o que me inclina ao conservadorismo, mas eu também discordo que o mesmo seja proibido, o que também me afasta do conservador. Se as classificações são didáticas, elas também são limitadoras de posições individuais.

    ResponderExcluir