Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




segunda-feira, novembro 19, 2012

Ela é uma inútil


Neste texto: Socialista Morena » A volta do filho (de papai) pródigo ou a parábola do roqueiro burguês, uma comentarista, cujo blog se chama “Socialista Morena” critica o “endireitamento” de “roqueiros brasileiros”, como Lobão, Roger (do Ultraje à Rigor) e Leo Jaime. Como é comum neste tipo de análise, sempre se tenta enveredar para uma análise pretensamente científica do caso. Sabe... 

Não gosto da música de nenhum desses sujeitos. Aliás, detesto todas. De sorte que a única coisa que me interessa mesmo em defendê-los, não é sobre a música ou sobre suas opiniões políticas, rasas pelo que pude inferir, mas sim sobre a acusação tola da blogueira em questão. Como se explica que roqueiros se tornem entusiastas da direita? Para ela, isto parece um profundo paradoxo. Olha... Não pretendo gastar teclado a esta hora com as muitas acepções do que vem a ser “direita”, assim como poderíamos também pensar sobre a “esquerda”, mas é incrível como há gente picareta escrevendo com ares de cientificidade. Para a “morena”, os dois primeiros músicos supracitados, alvos de seus ataques, são filhos de classes abastadas e não fizeram mais do que retornar aos seus lares, no sentido cultural e classista do termo. Ou seja, eles não optaram de livre e espontânea vontade ou conscientemente, mas foram carregados de volta por algo que está muito além deles, sua posição de classe. Vejamos aqui:
Muita gente se pergunta como é que isso aconteceu. O que faz um roqueiro virar reaça? No caso de ambos, a resposta é simples. Tanto Roger quanto Lobão são parte de um fenômeno muito comum: o sujeito burguês que, na juventude, se transforma em rebelde para contrariar a família. Mais tarde, com os primeiros cabelos brancos, começa a brotar também a vontade irresistível, inconsciente ou não, de voltar às origens. Aos poucos, o ex-revoltadex vai se metamorfoseando naqueles que criticava quando jovem artista. “Você culpa seus pais por tudo, isso é um absurdo. São crianças como você, é o que você vai ser quando você crescer” –Renato Russo, outro roqueiro dos 80′s, já sabia.
O carioca Lobão, nascido João Luiz Woerdenbag Filho, descendente de holandeses e filhinho mimado da mamãe, estudou a vida toda em colégio de playboy, ele mesmo conta em sua biografia. O paulistano Roger estudou no Liceu Pasteur, na Universidade Mackenzie e nos EUA. Nada mais natural que, à medida que a ira juvenil foi arrefecendo –infelizmente junto com o vigor criativo– o lado burguês, muito mais genuíno, fosse se impondo. Até mesmo por uma estratégia de sobrevivência: se não estivessem causando polêmica com seu direitismo, será que ainda falaríamos de Roger e Lobão? Eu nunca mais ouvi nem sequer uma música nova vinda deles. O Ultraje, inclusive, se rendeu aos imbecis politicamente incorretos e virou a “banda do Jô” do programa de Danilo Gentili. 

Além disto, não sei se perceberam, mas aí um nítido “psicologismo de bolso”, quando não passamos de uma cópia tardia dos nossos pais e seus padrões de comportamento. O que se torna comum a este tipo de pensamento de matriz socialista, seja aplicado na sociologia ou na psicologia, é o que o indivíduo simplesmente não existe. Ele é um mero refém de categorias coletivas de análise, seja a macroestrutural como a classe social, seja a menor, como a família.

Pensem: se for assim, quem ou o que é tão estúpido que fala pela “morena”, qual partido ou agremiação? Já que os músicos não podem ter opinião própria e escolha dissidente, então ela também não passa de um reflexo de outros. Justamente, este tipo de gente é que nunca vai divergir de uma opinião corrente, pois não sabem pensar por si próprios e, na verdade, não têm nada a dizer mesmo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário