Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




quinta-feira, abril 03, 2014

Classes sociais em Marx - 01


Classes sociais existem, mas não são o mais importante para entender a sociedade e, em segundo lugar, Marx não é e nem nunca foi à última palavra no assunto.

O cerne da teoria social de Marx reside no conceito de luta de classes, tanto que se tornou comum lermos uma de suas mais famosas frases, presentes n’O Manifesto... “a história da humanidade é a história da luta de classes”. Estúpido, pois em um mundo cindido por questões étnicas, barreiras linguísticas, conflitos religiosos e disputas geopolíticas, limitar a história da humanidade a um único tipo de conflito não é preciso. A estratificação social é cada vez mais fluída, pois as classes sociais alteram muito sua renda ao longo da história pelas redefinições do mercado, ao passo que Marx as via como situadas em uma estrutura produtiva.

Mercado... Já viram como os marxistas adoram reificar categorias dependentes de ações individuais como se tivessem vida própria? O capital é seu melhor exemplo, pois parece uma entidade na lógica da explanação marxista, como se fosse um nevoeiro que permeia os indivíduos que, por sua vez, não portariam nenhuma consciência e autonomia sendo meros títeres de seu poder. O que nos parece um completo absurdo faz todo o sentido se pensarmos a partir do método marxista: para quem buscava um corpo de teorias integradas, cujos fenômenos ou fatos sociais fossem explicados basicamente por um a única causa ou fator, o pensamento marxista é um prato cheio. Pensem na história como um motor e as relações de classe como seu combustível, até que sua luta constitua veneno ou um ingrediente que corroa as peças da máquina. Para Marx, este momento de destruição interna é uma passagem de consciência coletiva, de “classe em si” para “classe para si”. Quando a “classe subjugada” adquirir consciência da dominação sofrida estará configurado uma situação pré-revolucionária.

A classe social em Marx porta um conceito bem específico. As classes sociais ocupariam lugares próprios na estrutura da produção e não podem ser divididas arbitrariamente, como fazemos, segundo estratos de renda.[1] Em segundo lugar não se trata de duas classes sociais apenas, pois assim não haveria lugar para as chamadas “alianças de classe”, conceito fundamentais para a análise política de Marx. Em um mundo onde posições de status, renda são fundamentais para entender uma sociedade e seu modo de funcionamento, circunscrever a análise a uma mera situação no mundo do trabalho é por demais empobrecedor, sobretudo em classes sociais específicas da Inglaterra do século XIX. Critérios culturais-informais como honra e status ou jurídico-formais como cargos não teriam nenhuma importância para Marx em sua limitação economicista e empobrecedora da realidade social. A estratificação social existe e conceitos como renda, ocupação e status são centrais para sua análise, mas isto não implica em adotar certos grupos como centrais em seu papel na história e com relações definidas essencialmente pelo conflito. Se os indivíduos podem ser agrupados por hábitos, consumo, desvios, saúde etc. não quer dizer que correspondam, necessariamente, a classes sociais. Dar ênfase a este tipo de estratificação, tão somente implica em submeter à riqueza da análise científica à pobreza da militância ideológica. Isto já deveria ser consensual no atual debate sobre o capitalismo, porque a sua época Marx estava mais preocupado com questões econômicas gerais, ignorando por completo eventos cotidianos fora do lugar de trabalho e que, hoje em dia, ocupam um tempo cada vez maior em nossas vidas.

Um problema sintomaticamente ignorado pelos marxistas, é que se fosse verdade que a história da humanidade é a história da luta de classes, então a teoria das classes sociais deveria servir para explicar coerentemente qualquer sociedade, seja aquela em que a propriedade dos meios de produção fosse individual ou corporativa, pelo estado, igreja ou grandes empresas etc. Mas, não é assim que funciona, uma vez que o comportamento de mercado e formas de dominação mudou ao longo da história.

(...)



[1]  E é exatamente isto que faz o autor deste artigo: http://www.nytimes.com/roomfordebate/2014/03/30/was-marx-right/a-return-to-a-world-marx-would-have-known, sem perceber que usa Marx sem conhecer seu método porque hoje falar em desigualdade social parece ser domínio exclusivo de marxistas. Tolice.

Nenhum comentário:

Postar um comentário