Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




segunda-feira, abril 14, 2014

Uma sociedade livre é uma sociedade que se defende


A Noruega tem o maior percentual de armas do continente (32%) europeu e a menor taxa de homicídios. Precisa dizer mais? Então, para quem contestar e clamar por "estudos sólidos", que tal este aqui de Harvard?

Harvard Study: No Correlation Between Gun Control and Less Violent Crime http://shar.es/Tqwe5 via Breitbart News
-----*Fiquem tranqüilos, pois não vou enfiar nenhum estudo com pesquisa de opinião mal formulada nesta página. 

A posse de armas não é um problema, nunca foi e desarmar o cidadão que possui arma registrada é um equívoco. A mais alegada das causas da violência, a desigualdade social também se combate também com a defesa da propriedade contra “empresários do submundo” porque achar que desigualdade social só desenvolve a violência de uma classe (baixa) para outra (média ou alta) é que é puro preconceito, o preconceito de achar que “pobre é tudo bandido”. Eles são os que mais sofrem e têm direito à também devem ter o direito à legítima defesa.
E o “velho oeste” existe, só que no velho país de sempre, onde se exclui o cidadão de seus direitos naturais (como a autodefesa) com falsas “premissas sociais”. Daí, não é a toa que temos mais mortes em cinco anos do que americanos que já morreram em todas as guerras travadas por eles. Cadê os hipócritas da Viva o Rio para comentar isto? Estão mamando em alguma teta ongueira?
A matéria acima sobre o referido estudo trata de correlações, mas o que ela diz acertadamente é quem acusa, pautando-se em uma suposta correlação... De que mais armas levam a mais crimes é que tem que provar isto, pois os dados mostram exatamente o contrário. Cansamos de ouvir que se diminuíssem o número de armas em posse dos cidadãos e até cessassem sua produção, a violência inevitavelmente diminuiria. Pois então, não diminui.
Por que é importante observar efeitos e estabelecer correlações? Para evitar equívocos de apontar causas genéricas a situações específicas. Quantas vezes não ouvimos dizer que “a desigualdade social é a principal causadora de violência”? Além do preconceito embutido de pensar no indivíduo pobre como causador da violência, como já comentado, há um equívoco metodológico nisto... Um fenômeno é medido pelo seu efeito e não pelo fator que o causa. O efeito é um sinal de que houve uma causa temporária ou que há fator permanente. Por analogia, vejamos a temperatura, que é o que medimos. Ela acusa que há uma causa temporária, como o deslocamento de uma massa de ar ou um fator permanente, a posição de certa localidade em relação ao Equador. Assim, não se mede a violência pela desigualdade social, mas pelo efeito que, supostamente, ela, a desigualdade gera. Há sociedades mais igualitárias, miseráveis no conjunto, com alto grau de violência (Etiópia, Quênia, Mauritânia etc.), há outras, bem “pacíficas”, mas extremamente autoritárias (Arábia Saudita, Irã), com uma violência institucionalizada, i.e., perpetrada pelo estado e não mensurada, pois não é sequer vista como crime. Então, primeiramente, temos que diferenciar causa de consequência.
Por isto, ninguém aqui diz que o número de armas causou menos mortes, mas que ele evitou mais mortes. A consequência lógica da autodefesa é a eliminação de certo grau de risco de vida. Isto, se chama isolar variável e como tal, uma variável é parte. Isto está claramente implícito, no sentido de que a posse de armas é parte constitutiva da solução, mas não a única solução para toda crise na segurança pública. Pensar em fatores únicos, essenciais é próprio do modo de raciocinar holista, mágico e não analítico, segmentador. Separar não implica em ignorar outras partes, mas de vê-las detidamente em particular para depois agregar com outras sequências de observações e concluir.
Indivíduos agem por estímulos, positivos, como a busca pelo lucro ou negativos, como o medo de sentir dor. No caso, a posse de armas é um mecanismo dissuasório e não uma panaceia, se é que me entendem. A violência não terminará, mas com o fim da campanha do desarmamento e os obstáculos postos para quem deseja obter armas legalmente, ela pode diminuir aos níveis anteriores ao próprio Estatuto do Desarmamento.
Como foi dito na matéria, o ônus da prova recai sobre quem acusa a situação de violência ser causada pelo número de armas, tão somente. Esta ladainha é repetida como mantra no Brasil e no exterior. Ora, se há um enunciado monocausal é este, de que ARMA, logo MORTE. E, claro que não é assim.
No discurso recorrente dos pacifistas e politicamente corretos, se insinua que a pesquisa barrada,  censurada seja a que cidadãos armados causam mais mortes e não o tipo de pesquisa que afirma o contrário. Presumir que uma pesquisa seja perseguida e outra não, é má fé ou sintoma do espírito de nosso tempo, no qual um dos lados sempre posa de vítima e acusa os demais de o estarem perseguindo. Bacaninha isto, dá para dormir em paz com pastilhas de falsa consciência.

3 comentários:

  1. Este me lembrou uma discussão sobre correlação e causalidade. Num mundo ideal, eu seria mais forte do que todos os outros e todo mundo andaria desarmado. Acho que este é o raciocínio de quem prega o desarmamento. Ou ainda, como dizem os americanos, Abraham Lincon tornou todos os homens livres; John Colt os fez iguais. A arma de fogo equaliza forças. O bandido torna-se tão poderoso quando o policial ou o cidadão armado. Obviamente, não precisamos liberar a posse de todo tipo de arma. Mas armas de uso dissuasório, com calibres baixos e não automáticas, seriam suficiente para ao menos oferecer um meio digno de reação a guerrilha urbana que se tornou a vida em nossas cidades. Ótimo texto! Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo depende do que se quer dizer... Se procurar provar através desta simples correlação (em que pese ter sido concluída a partir de extensa pesquisa), que "mais armas levam a menos crimes" é forçoso, pois excluímos outras variáveis (educação, cultura, renda, demografia etc.), o estudo serve (e este é o tom da conclusão a partir da matéria jornalística que o divulgou) para REFUTAR a afirmação recorrente de que "mais armas levam a mais crimes". Esta é que a questão, o estudo mostra muito mais casos que desautorizam o mantra desarmamentista.

      Agora, quanto à discussão a que te referiste, eu acompanhei e a tua missivista foi desonesta. Nem tanto porque ela discorda de ti, mas porque ela tergiversou, não encarando de frente o tema. Trazendo para este tema aqui, é como se porventura alguém discordasse de mim e apenas dissesse que "correlação não é causalidade e, portanto o estudo está errado". Ora! Mostrar uma forte correlação não serve como prova, mas serve para desautorizar outra afirmação adversa, como a de que mais armas levam a mais mortes, violência etc., pois não levam! E o maior número de eleitores petistas nas últimas eleições presidenciais ocorrem, justamente, em áreas com maior analfabetismo. É o analfabetismo, ou o beneficiado pelo Bolsa-Família analfabeto, ou a manipulação local dos recursos federais ou o que se relaciona à inclinação a votar no PT? Não sabemos? Mas sabemos algo... Sabemos que não são nas áreas com maior índice de alfabetização que o PT leva a melhor. Sabemos que em muitos estados com maior camada social instruída, se o PT vence, a disputa é mais acirrada. Que conclusões podemos tirar disto?

      Será que nesta questão, a tua amiga se proporia a discutir o tema ou citaria Hume?

      Excluir
    2. Correções:

      5ª linha: "Esta é que É a questão..."

      Excluir