Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




terça-feira, abril 09, 2013

Afrodependência

Fonte: Etniabrasileira.com.br

Eu sou terminantemente contra as cotas raciais pelas seguintes razões:

(a) As cotas raciais criam racismo onde este não havia;

Explico-me: o Brasil é um país constituído, em sua grande maioria, por uma população mestiça, com mais mulatos, cafuzos e mamelucos do que "brancos", "negros" e "índios". Como no país, o critério de avaliação do que é raça é extremamente subjetivo (depende de autodeclaração em pesquisas feitas pelo IBGE), muitos se autodenominarão "negros" apenas para aproveitar um benefício daqueles que sustentam o país com seus impostos. Onde deveria, no máximo, haver uma transferência de renda por motivos estritamente econômicos, se adota um critério paleolítico e racista que é a "raça", algo extremamente ambíguo se o que se quer é diminuir ou eliminar as diferenças sociais.

(b) Alguém poderia dizer que estas diferenças existem é que se faz necessário acabar com elas... Pois bem, a cota racial sacramenta a desigualdade ao finalizar o processo em que o negro é beneficiado por uma ajuda estatal que transferiu renda dos supostos "brancos". O estado nesta nefasta política pública acaba selando sua identidade como incapaz de se auto-gerir e desenvolver como indivíduo por quem, supostamente, o tratou historicamente como "inferior" (e como se os brancos atuais tivessem culpa ou responsabilidade por algozes do passado...);

(c) O pior disto tudo é que enfraquece o direito civil e individual onde todos indivíduos são iguais para tratar desigualmente os indivíduos sob o pretexto de torná-los iguais(!);

(d) Se há então diferenças sociais que são difíceis de se contornar por que não se adota o critério simples socioeconômico? Que se beneficie então aqueles mais carentes com bolsas de estudo. Nas regiões onde há mais negros pobres (porque há mais negros no geral), os negros seriam beneficiados; nas regiões onde há mais brancos pobres (porque há mais brancos no geral), os brancos seriam beneficiados etc. Ou seja, o mais pobre e não o "mais negro" é que seria beneficiado. É que receberia ajuda, como deveria ser feito;

(e) Mas, a bem da verdade, o maior benefício é com um bom ensino básico em uma boa escola pública e isto começa atraindo professor de qualidade, o que não se obtém (em nenhum lugar do mundo) sem bons salários. Outras medidas para suprir a falta de escolas públicas adequadas é a distribuição de vouchers para população mais pobre para alocação de estudantes em escolas privadas. Isto é, ao invés do estado gastar com a infra-estrutura, basta pagar pela mesma vaga em uma escola particular. Por que não?

Nenhum comentário:

Postar um comentário