Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




quarta-feira, abril 24, 2013

Neologismo e valoração seletivos


(...)
ABL RESPONDE

Pergunta : Presidente ou presidenta? É possível colocar um ponto final nesse debate? Obrigada pela atenção.

Resposta : Prezada consulente:
Ambas as formas “a presidente” e “a presidenta” são aceitas, registradas e corretas. No artigo do Acadêmico Prof. Dr. Evanildo Bechara, escrito no dia 7/11/2010, p. 23, no jornal O Dia, podemos ler: “(…) A língua permitirá “a presidente” ou “a presidenta” em referências à nova ocupante do cargo (…). Os nomes terminados em -e são mais resistentes a uma regra gramatical na formação do feminino. “Mestre/Mestra”, “parente/parenta”, “infante/infanta” são correntes, e não doem no ouvido; mas tal facilidade não se dá com “ouvinte”, “estudante”, “amante” e muitos outros. O repertório lexical que regula ocorrências nos mostra a presença de “a presidente” com um pouco mais frequência do que “a presidenta”. Com “vice” a forma vitoriosa é “presidente” sobre “presidenta”. Já havia registro da forma presidenta no VOLP de 1998.

Se você não entendeu, aí, o problema é mais grave! Procure imediatamente um professor ou uma professora de Língua Portuguesa e vá aprender a ler. Ou melhor: pratique compreensão de texto. Ou nunca mais toque no assunto, sob risco de ficar feio para você.

Entendi sim, mas não precisamos consultar professores e sim cabos eleitorais. Quando o ex-ministro Magri saiu com um neologismo "imexível" foi uma grita geral. Zombaram do indivíduo até não poder mais, mas agora, que uma "companheira" está no poder, nossos especialistas se adaptam, por que não? 


Na verdade este parece ser o vício do país: gostam de criticar as privatizações que ocorrem dentro da lei, mas esquecem da auto-crítica da venda de suas consciências.

Nenhum comentário:

Postar um comentário