Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




segunda-feira, março 14, 2016

O 13 de Março e seus Milhões de Mitos




Anselmo Heidrich


“Mitou”... É comum ouvirmos ou lermos de um garoto ao se deslumbrar positivamente com a atitude de outra pessoa. Domingo passado, na Avenida Beira-Mar Norte em Florianópolis, o tempo nublado com uma leve brisa me rejuvenesceu e eu vi dezenas de milhares de “mitos”. Quando cheguei em casa com minha família e pus meus filhos na cama pude sentar e conferir vídeos e fotos do que ocorreu no país há apenas algumas horas... Milhões de mitos! Nunca, nem mesmo pela campanha das Diretas Já esse país viu tanta gente se manifestando em prol de uma causa. E o mais impressionante, sem um caso agressão relatado. Isto já vem sendo prática há meses e por quê?
         Podemos procurar uma explicação sociológica ou até econômica, mas nada vai ser mais preciso que atentar para a sensação individual e estendê-la a outros que como nós estávamos em passeata, em formação marchando por algo, querendo união, mas sem se sentirem coagidos. Não houve um comando, mas houve uma voz dentro de cada um de nós chamada vontade.
         Fomos chamados de ingênuos, pelos menos severos e golpistas pelos cínicos. Houve quem racionalizasse “mas quem entrará no lugar dela em caso de impeachment?” Todos essas críticas, desde as honestas até as mais interessadas, nenhuma partiu do princípio de que erros intencionais não podem ficar impunes. Que mesmo que tenhamos que amargar um longo infortúnio para nos reerguemos, o faremos de alma lavada por saber que uma lição foi dada e que nosso alto preço significará um alívio para nossos herdeiros, para as gerações vindouras. Com tudo que sofremos, ouvimos, com tudo que riram de nós, fizeram chacota de nós, como se estivéssemos ora em um mar bravio, ora em uma calmaria sem esperança de vento renovador, sempre tivemos uma visão... Ao longe, um farol nos enviando seu sinal. Sinal de fé. Fé em nós, no indivíduo libertador da massa apática que nos oprime com a indiferença.
         Bem... O que assisti no dia 13 é que deixamos a indiferença de lado para fazer a diferença. Não haverá sítio, apartamentos, objetos presenteados por países aliados ou desvios de grandes empresas que nos tivesse custado mais do que a honra e a ambição perdidas, caso desistíssemos de seguir em frente com o processo de impeachment, caso nossa vontade apagasse, caso a fé nas instituições brasileiras e ambição de alcançar a justiça esfriassem. O que vi naquela tarde foi que conseguimos juntar esses três elementos... Vi idosos se arrastando atrás de caminhões com sons ensurdecedores, vi jovens bradando contra organizações corruptas que manipulam estudantes, vi casais sorrindo e erguendo seus filhos como se os presenteassem com esta festa cívica. Mas vi minha esperança renascer porque me ergui, levantei a cabeça e mirei no meu farol imaginário, cuja luz emitia vontade, fé e ambição. Eu e milhões de mitos vimos e fizemos isto.

---------------------------

Fas est et ab hoste doceri – Ovídio


Se concorda, compartilhe.    

Nenhum comentário:

Postar um comentário