Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




segunda-feira, novembro 16, 2015

É o indivíduo, estúpido! - 02


Por que o indivíduo? Permita-me explicar, individualismo é uma palavra que tem muitos significados, podemos estar falando do sentido normativo de individualismo, de que o indivíduo tem que ser valorizado, seus direitos, deveres sobre os direitos coletivos, p.ex. ou, analiticamente, seu peso e papel na história etc. ou ainda podemos estar falando em termos éticos, o individualismo ético, uma ética anti-coletiva, de que só o senso individual e a constelação de valores criada pelos indivíduos é que tem valor e que a vida em sociedade não passa de um amontoado de crenças sem sentido, pois o que vigora mesmo é a “lei da selva”, um salve-se quem puder ou como já disse alguém “a guerra de todos contra todos”. Por outro lado, como mencionamos há a perspectiva metodológica e é esta que nos interessa: mesmo obras ou instituições sociais só tem valor quando reverenciadas ou odiadas por indivíduos. São eles que em ultima análise tornam relações sociais válidas, seja a relação íntima entre um casal, um pleito democrático, a ascensão profissional de uma mulher, o questionamento de uma dada forma de discriminação sexual, racial, religiosa etc. ou mesmo o sentido de pertencimento à pátria ou uma classe específica, como o proletariado. Tudo isto só faz sentido se compreendido (mesmo que muito mal compreendido) pelos indivíduos e aceito por eles.
Portanto, quando ocidentais como eu dizem e repetem que o “islã é propenso à violência” há uma grande dose de coletivismo metodológico, de apego e uso de categorias coletivas como dotadas de consciência e poder de ação nesta afirmação, pois eu duvido que a grande maioria dos que afirmam isto, taxativamente, tenha se debruçado sobre textos sagrados ao ponto de afirmar, QUANTITATIVAMENTE, que o Corão é mais violento do que a Bíblia, eu duvido. “Mas a cultura e a sociedade deles são...” Bem, digamos que sim, que na conjuntura mundial atual, tenha sido realmente assim, mas daí voltamos ao ponto inicial, como estes indivíduos passaram a agir assim? Isto é algo que transcende as escrituras, não faz parte de uma essência e compõe um arranjo que por mais duradouro que seja, nem sempre foi assim...


Nenhum comentário:

Postar um comentário