Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




sexta-feira, agosto 26, 2016

Made in MEC 01


“É fato que a conformação dos estilos de consumo varia drasticamente entre os países desenvolvidos e os menos desenvolvidos, sendo muito graves também as diferenças verificadas entre os perfis de consumo nos centros urbanos e no meio rural. No entanto, os apelos de mercado têm ampliado as fronteiras de atuação, generalizando, assim, um ideal crescente de consumo, impedido por restrições econômicas regionais e pelo estágio tecnológico vivido”[1]


Não são "estilos de consumo" que variam de país a país, mas seu valor, na melhor das hipóteses. O estilo é algo que varia internamente a cada país, região, cidade, enfim... E "meio rural" presumido como área pobre, só mesmo em um livro do MEC mais próximo de você. Quem acha que áreas rurais no Brasil são necessariamente pobres deveria dar uma olhada nos PIBs internos do Brasil por setor produtivo e conferir o que se obtém em áreas especializadas na agricultura comercial. A raiz dessa divisão entre um bloco de desenvolvidos e outro subdesenvolvido é leninismo barato e da zona rural como retrógrada, pobre e famélica é marxismo do século XIX. Ainda, o ideal de consumo não é impedido, pode não ser alcançado, mas enquanto ideia permanece livre, pois isto ninguém consegue reprimir em outrem.



[1] Oliveira, Gilvan Sampaio de. Mudanças climáticas : ensino fundamental e médio / Gilvan Sampaio de Oliveira, Neilton Fidelis da Silva, Rachel Henriques. – Brasília : MEC, SEB ; MCT ; AEB, 2009. 348 p. -- : il. – (Coleção Explorando o ensino ; v. 13). Disponível aqui, p. 128. Acesso em 26 ago. 16.

Nenhum comentário:

Postar um comentário