Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




segunda-feira, agosto 22, 2011

O ideal é inimigo do bom

O debate acerca de qualquer questão ambiental, quando chegado ao grande público conta com defensores fanáticos, que normalmente são indivíduos bem intencionados. Mas, como sabemos a boa intenção não é suficiente.

Preservar os ecossistemas, sobretudo os ditos ‘ameaçados’ como os encontrados na Amazônia é, sem sombra de dúvida, uma atitude louvável, mas ao ponto de eliminar qualquer alternativa energética ao país, como feito insensatamente por aqueles que contestam a construção de novas usinas hidroelétricas é um absurdo. Refiro-me, entre outros, ao caso atual da construção de Belo Monte, no estado do Pará, recentemente comentado aqui. Vejamos, nós não podemos nos dar ao luxo, com uma população estimada em mais de 200 milhões de retroceder a um estágio pré-industrial ao gosto daqueles que não aceitam nenhuma forma de impacto ambiental. Claro que, sempre que possível, o ideal é minimizar impactos. Se for possível substituir o carvão, mais poluidor, por petróleo e este por gás e todos estes combustíveis fósseis pela hidroeletricidade, tanto melhor. Mas, ainda não temos como substituir as usinas hidroelétricas, cujo maior impacto está no desmatamento e alagamento de áreas para sua instalação, por fontes eólicas e solares. Ainda não... Por isso o razoável é ter em mente que o ideal é inimigo do bom, pois podemos avançar e minimizar gradativamente os impactos, mas ainda não podemos prescindir de todo deles. Defender isto, que é indefensável, implica que amarguemos na baixa produção, nos custos elevados em termos ambientais ao retornarmos a estágios em que o desmatamento era proporcionalmente maior como quando da maior parte da população empregada no setor primário da economia (agropecuária e extrativismo). Ou assumimos o modelo industrial e urbano com menor impacto, mas algum impacto ou simplesmente enganamos a nós mesmos dizendo que o ideal tem que ser atingido a todo e qualquer custo, o que é impraticável.
Eu sinceramente acredito que progredimos neste item. Estamos evoluindo positivamente e poluindo proporcionalmente menos. Além do mais, impactos de pequena extensão e descentralizados permitem adaptações naturais em que os elementos naturais testam sua capacidade de resiliência ou, até mesmo o desenvolvimento de um novo equilíbrio sistêmico, i.e., a homeostase.
Neste contexto é que recomendo a entrevista de Bjørn Lomborg, um pesquisador que podemos considerar como o algoz dos ambientalistas catastrofistas que não lançam mão de dados e séries estatísticas confiáveis para avaliar o que realmente ocorre em termos de evolução social e ambiental:

Lomborg critica 'exageros' sobre o meio ambiente
Redução da pobreza é mais urgente, diz Lomborg
Redução da pobreza é mais urgente, diz Lomborg
Rodrigo Amaral
Em seu livro “O Ambientalista Cético”, Bjorn Lomborg afirma que a análise criteriosa das estatísticas revela um quadro bem menos assustador no que diz respeito ao meio ambiente do que dizem as ONGs ambientalistas.

Para ele, muitos exageros são cometidos na divulgação de supostos danos à natureza, muitas vezes para valorizar o trabalho dos próprios grupos ambientalistas.

“Se você realmente pensar bem, para provar a devastação de uma floresta, é só filmar os locais onde ela já foi derrubada”, afirma Lomborg em entrevista à BBC Brasil.

Como exemplo, ele cita estatísticas que mostram que 14% da Floresta Amazônica já foi derrubada. Ao divulgar esse número, diz ele, as pessoas ignoram o fato de que 86% da área continua intocada.

Leia a seguir a conclusão da entrevista:

BBC Brasil - O sr. tem acusados grupos ambientalistas de exagerar na divulgação de informações sobre os danos à natureza. No Brasil, é comum ver notícias sobre áreas do tamanho da Bélgica sendo destruídas na Amazônia. Há também exagero nesse tipo de informação divulgada no Brasil?

Bjorn Lomborg - Há exageros com freqüência. Quando você lê algo no jornal é sempre, até certo ponto, exagerado, porque isso vende mais jornais ou aumenta a audiência. Isso não significa que não é verdade, mas sim que, freqüentemente, as pessoas não se esforçam o suficiente para ver quais são as estatísticas.

Quando falamos das estatísticas do Inpe sobre a porcentagem de floresta que ainda existe na região da Amazônia, a resposta é que 86% ainda está intacta. Isso significa que já foi derrubada 14%. Obviamente, gostaríamos de viver num mundo onde não tivéssemos nem isso, e é provável que mais de 14% sejam cortados no Brasil antes de o país se enriquecer o suficiente a ponto de não precisar cortar mais.

Mas precisamos tentar entender o quanto esse problema é preocupante de verdade. Só assim é possível tomar decisões corretas sobre o quanto se deve investir nessa área, em vez de enfrentar outros problemas que também existem no Brasil.

BBC Brasil - O que o novo governo do Brasil pode fazer para que esse outro lado da história também chegue aos ouvidos das pessoas?

Lomborg - Eu acredito que a ciência e os dados estatísticos são a forma de aumentar o debate público sobre o problema. Eu não acho que alguém deve vir a público para apresentar algum tipo de “outra história” ou dizer simplesmente que está tudo bem. Só é necessário dar às pessoas os fatos. Eles têm a tendência de vencer os debates.

Não é surpreendente que sempre vejamos mensagens que dizem que as coisas estão ficando cada vez piores. Se você realmente pensar bem, para provar a devastação é só filmar os locais onde a floresta já foi derrubada. Freqüentemente, vemos organizações cujo principal objetivo ao divulgar esses dados é assegurar a si mesmas que elas estão trabalhando numa área importante.

BBC Brasil - Se o sr. fosse brasileiro, estaria pessimista ou otimista quanto à possibilidade de conciliar crescimento econômico com a proteção do meio ambiente?

Lomborg - Não sou muito familiarizado com a situação no Brasil, mas em geral há uma tensão entre a economia e a preservação do meio ambiente, que custa dinheiro. Há uma tentação de explorar a riqueza fácil agora e pagar por isso mais tarde. Foi o que fizemos no mundo industrializado, e agora estamos bastante preocupados com a questão ambiental.

Então, quando se atinge um patamar de riqueza, não há dúvidas de que aumenta a preocupação com o meio ambiente. Aumenta o gasto com a defesa da natureza e com a melhoria das condições ambientais. A longo prazo, sim, há bons motivos para se pensar que o Brasil vai ficar mais rico e vai atingir um ponto em que a população vai se importar de verdade com o meio ambiente.

Clique aqui para ler outro trecho da entrevista com Bjorn Lomborg
Clique aqui para saber mais sobre Bjorn Lomborg
Clique aqui para acessar a série especial As Eleições e a Globalização.
Fonte: Lomborg critica 'exageros' sobre o meio ambiente | BBC Brasil | BBC World Service
...

Nenhum comentário:

Postar um comentário