Não Culpe o Capitalismo



Pessoal, eu,

Anselmo Heidrich, o Fernando Raphael Ferro de Lima e o Luis Lopes Diniz Filho,

administradores dos blogs


respectivamente, acabamos de lançar um libelo da GEOGRAFIA ANTI-MARXISTA, o 1º do país!

Prestigiem...

Compre o livro NÃO CULPE O CAPITALISMO nos links abaixo:




sábado, dezembro 10, 2011

Educação ou ensino?


Aqui está o link do 2º artigo mais lido no facebook em 2011:
Professores são educadores, não babás - Educação - Notícia - VEJA.com

Trata-se de um artigo sobre educação que diz o que todos professores sérios sabem que o processo educativo não funciona sem a participação dos pais. Mas, o artigo tem furos sim. Eu acho justamente o contrário neste parágrafo:

"O senhor, na sua escola, recebe professores de diversas partes dos Estados Unidos e tambem de outros países, como o Brasil. Além dos problemas de relacionamento com os pais, do que mais professores de todo o mundo reclamam? As avaliações tiram o sono dos professores. Não sei exatamente como funciona no Brasil, mas nos Estados Unidos os professores são constantemente cobrados a melhorar o desempenho de suas escolas em testes padronizados. E todo o processo educacional passa a girar em torno de algumas provas. Isso é massacrante, para os alunos e para os professores. Os professores precisam de mais diversão na sala de aula."


Claro que nós precisamos, regularmente, de avaliações sobre o nosso trabalho, assim como qualquer outra categoria profissional, oras! Eu simplesmente não entendo porque professores se acham tão especiais. Vem cá, se tu for ao mercado e comprar qualquer produto estragado, não volta lá para trocar? Se o mecânico trocar uma peça e recolocar uma defeituosa, tu não reclamará? E se comprar carne no açougue não pedirá para visualizá-la antes de pesar? Por que diabos não se quer avaliar então a qualidade do ensino? Não venha dizer que educação não é mercadoria, pois é sim. O ensino é comprado e deve ser medido, agora quando se fala em educação é muito mais do que isto e os pais – daí o artigo acerta – têm lavado as mãos.

Um amigo me pergunta:

Aqui (...) as escolas particulares parecem ter bastante medo de perder alunos-clientes com notas baixas. O resultado é uma permissividade que às vezes beira uma avaliação de fachada.
Vc enfrenta esse tipo de conflito com os pais?


Ao que respondi:

Há uma intermediação feita pela coordenação que, esta sim, me pressiona por "notas boas", mas eu resisto. Agora, depois de fechados os diários eles não são invioláveis, se é que me entende... Na escola pública onde trabalhei por quase 3 anos temos mais autonomia, mas o problema maior são os professores que querem se livrar dos alunos problemáticos "empurrando-os para frente". O autor toca no problema, mas a meu ver ele também não tem muita clareza não. O melhor funcionamento não se dá nessa “escolinha mais humana”, mas justamente no contrário em um instituto de ensino o mais impessoal possível. Isto é ensino em negrito. Agora, coisa bem distinta é se tu está delegando a responsabilidade para que eu eduque teu filho, o que eu acho temerário. Não por ser eu, mas porque ninguém faz isto melhor do que os pais. Nossa crise educacional é uma crise de família, de estrutura social, que desanda todo o resto. E é aí que eu sou mais conservador.
Ideologias a parte a realidade não é o que eu sonho, mas é o que é. Então, o que fazer? Jogar o jogo e aí meu amigo repare só quando teus amigos pais falam do que acham uma boa escola... Repare também como citam o laboratório de informática, a quadra esportiva etc. e veja que raramente citam o currículo de professores, sua experiência, o retorno que os filhos trazem para casa sobre o que aprenderam etc. O problema é que não se demanda por qualidade de ensino, mas uma “boa educação” e isto para mim é o produto errado oferecido pelo fornecedor incompetente para um consumidor perdido.
...

2 comentários:

  1. Concordo com você, Anselmo. O ponto fraco do texto é quando Clark faz essa crítica infeliz aos testes padronizados. É aí que ele cai em contradição, já que antes havia dito que é preciso cobrar excelência dos alunos. Talvez ele suponha que tal cobrança seja cabível somente para estudantes, mas não para os professores...

    ResponderExcluir
  2. Então Diniz, cobrar boa qualidade só dos outros é fácil. Como se diz, no dos outros é refresco e no nosso é pimenta...

    ResponderExcluir